Texto - Sala de Pós produção

Saiba Mais

O PRINCÍPIO DO FIM


Diferentemente do que podemos pensar, um finalizador começa a trabalhar antes mesmo de o filme ser filmado. É isso mesmo: no princípio de tudo, já tem alguém na equipe pensando todo o processo, pensando tudo o que tem de acontecer para que nenhum detalhe atrapalhe o andamento da finalização e, por conseqüência, o resultado do filme.

É fundamental uma conversa entre diretor, fotógrafo, equipe de som e finalizador antes que comecem as filmagens. Afinal de contas, o finalizador precisa conhecer muito bem o conceito do projeto.

O diretor pode captar seu filme com uma dezena de câmeras diferentes: câmeras que imprimem imagem na película (16 mm, 35 mm), câmeras que gravam em fitas, câmeras digitais de altíssima definição. Cada uma delas gera diferentes necessidades de finalização do filme, o que pode ser viável ou inviável, interessante ou não para que o trabalho alcance seus objetivos.

Filmar com película 35 mm, por exemplo, pode ser um ótimo negócio para um diretor que participa de um filme com bastante dinheiro. O material filmado deve passar da película para o computador (processo conhecido como Telecine) e, depois de sonorizado e montado, deve voltar para a película (processo conhecido como Transfer). Essa ida-e-volta da película para o digital é muito comum no cinema, hoje em dia, pois todo o processo de montagem é feito por computador. E ainda não inventaram uma forma mais bonita de captar e exibir imagens do que a película.

Ser comum, no entanto, não quer dizer que seja acessível a todos. Para um projeto de baixíssimo orçamento, filmar em película pode ser absolutamente inviável. Talvez a solução seja filmar em digital, montar, sonorizar e, depois, passar para película. Ou, quem sabe, gravar e finalizar em digital.

Cabe ao finalizador oferecer as melhores opções para o diretor, sendo sensível ao que o projeto pede e conhecendo bem o orçamento. Por isso, o finalizador precisa saber tudo sobre formatos de gravação (de vídeo e de áudio, claro) e formatos finais.

Outro exemplo da importância da presença do finalizador antes das filmagens é o fato de que, em parceria com o fotógrafo, ele pode compreender a estética do filme, realizando testes de captação de imagens e se preparando para a revelação ou a criação de efeitos digitais. Dessa forma, ele pode garantir que nada saia errado durante a revelação.

Um laboratório de imagem trabalha com uma dezena de filmes ao mesmo tempo. Para cada diretor, no entanto, seu filme é especial, único. O finalizador precisa sentir o mesmo, acompanhando cada filme em que trabalha como se fosse o único.


Texto: Henry Grazinoli
Consultoria de conteúdo: Helena Maura