Texto - Sala de Pós produção

Saiba Mais

DA CABEÇA PARA A TELA IDEAL


Um projeto nunca é igual a outro. O que é bom para um filme pode não ser bom para outro. Não existe um formato ideal para finalizar um filme. Esse mandamento precisa ser repetido, aprendido e seguido por quem quer trabalhar com finalização.

A tecnologia tem-se desenvolvido rapidamente, o que promove a aparição contínua de novos formatos de vídeo e áudio. Todos são interessantes. Um bom finalizador conhece, se não todos, quase todos. E enxerga em que cada um pode auxiliar ou atrapalhar o filme.

Um exemplo interessante é pensar não em grandes produções, mas em algo próximo de nós: se temos uma câmera, alguns filmes ou fitas à mão e muitas idéias legais na cabeça, o que fazemos? Filmamos, com certeza. E, quando filmamos, queremos exibir.

Há poucos anos, certamente, nossa obra-prima ficaria restrita ao nosso círculo de amizade. Somente alguns parceiros e familiares teriam acesso. Poderíamos marcar uma sessão em casa, usar um velho projetor ou conectar a câmera à TV e mostrar nosso trabalho. Hoje, temos o Youtube, entre dezenas de outras possibilidades de exibir vídeos na Internet ou gravar e distribuir DVDs. O que não deixa de ser uma garantia de que nosso filme pode ser visto por muito mais gente.

Numa produção caseira, o papel do finalizador costuma ser feito pelo próprio realizador, que pensa sobre o formato final e, baseado nisso, desenvolve seu trabalho. Quer dizer, se a proposta é colocar o filme no Youtube e não há dinheiro para pagar digitalização das imagens, de nada adianta filmar no velho formato super 8. É preciso filmar em digital para viabilizar o produto final. Por outro lado, se você tem um projetor de super 8 em casa e quer fazer uma sessão para os amigos, não adianta filmar em digital. O processo mais simples é filmar direto na película de 8 mm e guardar um dinheirinho para a revelação. É fácil assim, mantendo as devidas proporções, claro.

Numa grande produção, esse planejamento se estende ao som, aos efeitos, à fotografia. Mas a grande questão está na busca do melhor processo para chegar à melhor obra final. Em essência, esse é o grande trabalho do finalizador.


Texto: Henry Grazinoli
Consultoria de conteúdo: Helena Maura